Mapa da Ásia (1627). Autores Bertius; Danckerts; Tavernier. No Copyright
Mapa da Ásia (1627). Autores Bertius; Danckerts; Tavernier

A Herança da Língua Portuguesa no Oriente (Ásia)

This post is also available in: Inglês Alemão

Escrito por Marco Ramerini. Tradução feita por Márcia Siqueira de Carvalho. Revisão do texto traduzido por Dietrich Köster.

A língua portuguesa foi nos séculos XVI, XVII e XVIII a língua dos negócios nas costas do Oceano Índico em função da expansão colonial e comercial portuguesa. O português foi usado, naquela época, não somente nas cidades asiáticas conquistadas pelos portugueses, mas também por muitos governantes locais nos seus contatos com outros estrangeiros poderosos (holandeses, ingleses, dinamarqueses, etc).

No Ceilão, por exemplo, o português foi usado para todos os contatos entre os europeus e a população nativa; vários reis do Ceilão falavam fluentemente esta língua e nomes portugueses eram comuns na nobreza. Quando os holandeses ocuparam a costa do Ceilão, principalmente sob as ordens de van Goens, eles tomaram medidas para parar o uso da língua portuguesa. Porém, ele estava tão entranhado entre os habitantes do Ceilão que até mesmo as famílias dos burgueses holandeses começaram a usar a língua portuguesa. Em 1704, o governador Cornelius Jan Simonsz falava que : “se você fala português no Ceilão, você é entendido em todo lugar”.

Também na cidade de Batávia, capital das Índias Orientais Neerlandesas (atual Jakarta), o português foi a língua falada nos séculos XVII e XVIII. As missões religiosas contribuíram para esta grande expansão da língua portuguesa. Isto porque desde que as comunidades se convertiam ao catolicismo, elas adotavam o português como língua materna. Também as missões protestantes (holandeses, dinamarqueses, ingleses …) que trabalharam na Índia foram forçadas a usar o português como a língua de evangelização.

A língua portuguesa também influenciou várias línguas orientais. Muitas palavras portuguesas foram incorporadas por vários idiomas orientais, como os da Índia, o suaíli, malaio, indonésio, bengali, japonês, os vários do Ceilão, o tétum de Timor, o africâner da África do Sul etc.

Além disso, onde a presença portuguesa era preponderante ou mais duradoura, cresceram as comunidades de “casados” e “mestiços” que adotaram uma variedade de língua mãe: uma espécie de crioulo português.

O que restou hoje é muito pouco. Entretanto é interessante notar que, neste sentido, existem pequenas comunidades de pessoas espalhadas por toda a Ásia que continuam a usar o “crioulo” português, embora não tenham mais contatos com Portugal, em alguns casos, durante séculos. Outro aspecto interessante é que durante o período mais importante da presença portuguesa na Ásia, não havia mais do que 12.000 a 14.000 portugueses, incluindo os religiosos.

Comunidades de língua português na Ásia (Azul: lugares atuais onde o Português é falado. Vermelho: lugares onde as comunidades  falaram, no passado, Português). Autor Marco Ramerini

Comunidades de língua português na Ásia (Azul: lugares atuais onde o Português é falado. Vermelho: lugares onde as comunidades falaram, no passado, Português). Autor Marco Ramerini

AS COMUNIDADES QUE FALAM PORTUGUÊS ATUALMENTE:

Malaca, Malásia: Cerca de 1.000 pessoas falam esta espécie de “crioulo” (Papia Kristang). Cerca de 80 % dos antigos habitantes da colónia portuguesa em Malacca falava Papia Kristang, que também é falado atualmente em Singapura e Kuala Lumpur. Kristang é muito parecido com o malaio local na sua estrutura gramatical, mas 95% do seu vocabulário deriva do português. Não muito tempo atrás o português também era falado em Pulau Tikus (Penang), mas agora é considerado extinto. A comunidade eurasiana tem 12.000 membros na Península Malaia. Activo é MPEA (Malacca Portuguese Eurasian Association) e SPEMA (Secretariat of the Portuguese/Eurasian Malaysian Associations) com 7 associações dos seus membros em Alor Star, Penang, Perak, Malacca (MPEA), Kuala Lumpur, Seremban e Johor Baru. Ha também em Singapura uma associaçao eurasiática. Malaca se separou do domínio português em 1641.

Korlai, Índia: (perto de Chaul). Cerca de 900 pessoas falam o crioulo português e esta comunidade tem a sua igreja chamada: “Igreja de Nossa Senhora do Monte Carmelo” Chaul se separou do domínio português em 1740.

Damão, Índia: (Damão Grande ou Praça, Campo dos Remédios, Jumprim, Damão da Cima). Cerca de 2000 pessoas falam esta espécie de crioulo português. Damão se separou do domínio português em Dezembro de 1961.

Ceilão (Sri Lanka): [Burgueses Portugueses em Batticaloa (Koolavaddy, Mamangam, Uppodai, Dutch Bar, Akkaraipattu); Trincomalee (Palayuttu); comunidades Kaffir de Mannar e Puttalam ]. Foi apenas usado entre as 250 famílias em suas casas em Batticaloa até 1984. Muitos emigraram para a Austrália. Ainda há 100 famílias em Batticaloa e Trincomalee e cerca de 80 famílias afro-singhalesas (Kaffir) em Puttalam. Quase extinta. Em Batticaloa existe o Clube de Recreio “Shamrock” e a “Batticaloa Catholic Burgher Union”. Há uma pequena comunidade de descendentes portugueses na aldeia de Waha Kotte (circa 7°42’N. – 80°36’E) (Centro do Sri Lanka, seis quilómetros de Galewala, estrada entre Galewala e Matale), eles são católicos romanos, mas desde cerca de duas gerações o crioulo português não é mais falado. Ceilão se separou do domínio português em 1658.

Macau: Cerca de 2.000 pessoas falam o português como sua primeira língua e perto de 11.500 como sua segunda língua. Apenas poucas mulheres idosas falam o macaense, um crioulo português de Macau. O “Instituto Cultural de Macau” e a “Fundação do Oriente” estão funcionando. Existe também um canal de TV e vários jornais voltados inteiramente para o português. Em 20 de Dezembro de 1999 Macau voltou a fazer parte da China.

Hong Kong: Centenas de pessoas falam o macaense. Quase todas são emigrantes de Macau. Nunca foi colónia portuguesa.

Goa, Índia: O idioma português está desaparecendo rapidamente de Goa. Atualmente ele é falado por um pequeno setor das famílias mais abastadas. Apenas 3 a 5 % da população continua falando-o (estima-se de 30.000 a 50.000 pessoas). Atualmente 35% da população de Goa são imigrantes de outros estados indianos. Nas escolas da Índia ele é ensinado como terceira língua (não obrigatória). Existe um Departamento de Português na Universidade de Goa e a “Fundação do Oriente” e a Sociedade de Amizade Indo-Portuguesa estão em funcionamento. O último jornal em língua portuguesa foi publicado na década de 1980. Em Panaji muitos cartazes em português ainda são visíveis em lojas, edifícios públicos etc. Goa se separou do domínio português em Dezembro de 1961.

Diu, Índia: Aqui o idioma crioulo português está quase extinto. Diu se separou do domínio português em Dezembro de 1961.

Timor-Leste: Os que falavam o português em 1950 não ultrapassavam 10.000 pessoas e em 1974 apenas 10% a 20% da população. Em 1975 Timor-Leste tinha 700.000 habitantes, dos quais 35 a 70.000 sabiam ler e escrever em português e 100 a 140.000 podiam falar e entender esta língua. Até 1981, o português foi a língua da Igreja Católica de Timor, quando foi substituído pelo tétum. Entretanto ele é comumente usado como idioma de negócios na cidade de Dili. O português permaneceu como a língua da resistência anti-Indonésia e de comunicação externa da Igreja Católica. O português crioulo de Timor (português de Bidau) hoje está praticamente extinto. Ele é falado a Dili, Lifau e Bidau. Indonésia invadiu o Timor-Leste em 1975. Entretanto, nenhuma nação reconheceu esta anexação militar. Timor-Leste tornou-se um estado independente a 20 de Maio de 2002. As línguas oficiais de Timor-Leste são o português e o tétum.

Flores, Indonésia: (Larantuka, Sikka) Aqui o português sobrevive nas tradições religiosas e na comunidade Topasse (os descendentes dos homens portugueses com as mulheres nativas) utilizam-no nas suas preces. Aos sábados, as mulheres de Larantuka rezam o rosário numa forma corrompida de português. Na área de Sikka, no Leste de Flores, muitas pessoas são descendentes de portugueses e ainda (???) usam esta língua. Existe uma Confraria chamada “Reinja Rosari”. Portugal retirou-se em 1859.

ATÉ POUCOS ANOS ATRÁS, COMUNIDADES QUE FALAVAM O PORTUGUÊS EXISTIAM EM:

Ceilão (Sri Lanka): (O crioulo português era falado pela comunidade burguesa holandesa.) Até o início do século XX, o crioulo português era falado pelos membros desta comunidade. Até depois da Segunda Guerra Mundial, os católicos do Sri Lanka, em Colombo se reuniam nas missas faladas em português (como a Igreja de Santo António em Dematagoda). Após a segunda metade deste século, uma parte destes católicos tão velhos começaram a frequentar missas em grupos cada vez menores nas igrejas católicas nas cidades de Dematagoda, Hulftsdorp, Kotahena, Kotte, Nugegoda e Wellawatte. Embora era uma língua falada, o português estava perdendo rapidamente a sua importância original nos serviços religiosos nas igrejas católicas, sendo substituído pelo inglês mais moderno e mais procurado.

Jakarta-Batavia-Tugu, Indonésia: (um subúrbio de Jakarta). Aqui, até o início do século XX uma espécie de português corrompido ainda era falado pela população cristã em Tugu. O último habitante que falava crioulo morreu em 1978. Nunca esteve sob domínio de Portugal.

Cochim, Índia: (Vypeen). Desapareceu nos últimos 20 anos. A comunidade portuguesa/hindu (2.000 pessoas) frequenta a antiga Igreja de Nossa Senhora da Esperança. Portugal retirou-se de Cochim em 1663.

Bombaim ou Província do Norte, Índia: Baçaim, Salsette, Thana, Chevai, Mahim, Tecelaria, Dadar, Parel, Cavel, Bandora-Badra, Govai, Morol, Andheri, Versova, Malvan, Manori, Mazagão. Em 1906 este crioulo foi, depois do Ceilão, o dialeto indo-português mais importante. Em 1906 ainda existiam perto de 5.000 pessoas que falavam o crioulo português como língua materna e 2.000 estavam em Bombaim e Mahim, 1.000 estavam em Bandora, 500 em Thana, 100 em Curla, 50 em Baçaim e 1.000 em outras vilas. Não existiam naquela época escolas em crioulo português e as classes mais ricas substituiram-no pelo inglês. (Costa, Dalgado).

Coromandel, Índia: (Meliapore, Madras, Tuticorin, Cuddalore, Karikal, Pondicherry, Tranquebar, Manapar, Negapatam…..) Na costa de Coromandel, os descendentes dos portugueses são geralmente conhecidos como “topasses”, eram católicos e falavam o crioulo português. Com a chegada do domínio britânico na Índia eles começaram a falar a língua inglesa em lugar do português e também anglicizaram seus nomes. Atualmente fazem parte da comunidade aurasiana. Em Negapatão em 1883 ainda existiam 20 famílias que falavam o indo-português. (Schuchardt, Dalgado)

DESAPARECEU JÁ HÁ MUITOS ANOS:

Solor & Adonara, Indonésia: Solor, Adonara (Vure)

Ilha de Java -Batávia, Indonésia: (comunidade holandesa de Batávia, Mardijkers) Os Mardijkers são os descendentes dos antigos escravos de Malacca, Bengala, Coromandel, Malabar, que foram convertidos ao Protestantismo quando libertados. Eles falavam uma espécie de crioulo português e eram o ramo principal da comunidade portuguesa de Batávia. Depois da conquista holandesa de Malaca e do Ceilão eles cresceram consideravelmente. Em 1673 foi construída uma igreja protestante para a comunidade portuguesa de Batávia e depois no século XVII uma segunda igreja foi construída. Em 1713 esta comunidade tinha cerca de 4.000 membros. < Lopes > Até 1750 o português foi a primeira língua de Batávia, porém, depois o malaio passou a dominar. Em 1808 o reverendo Engelbrecht celebrou a última missa em português. Em 1816 a comunidade portuguesa foi incorporada na comunidade malaia. Também entre as famílias holandesas de Batávia a língua portuguesa foi intensamente usada até 1750, apesar dos esforços do Governo Holandês contra o seu uso.

Mangalore, Índia: Mangalore.

Cannanore, Índia: Cannanore.

Bengala, Índia-Bangladesh: (Balasore, Pipli, Chandernagore, Chittagong, Midnapore, Hugli……) A língua portuguesa foi, nos séculos XVII e XVIII, a “lingua franca” em Bengala. Depois de 1811, o português era usado em todas as igrejas cristãs (católicas e protestantes) de Calcutá. No início do século XX, apenas umas poucas famílias falavam uma forma corrompida de português misturada com muitas palavras da língua inglesa. (Campos)

Moluccas, Indonésia: (Ternate, Ambon, Banda, Makasar) Ternateno, um crioulo português que foi falado nas ilhas de Ternate e West Halmahera, atualmente está extinto. Ambon, aqui o português sobrevive na língua actualmente falada: o Malayu-Ambom, o que contém cerca de 350 termos de origem portuguesa.

Nas costas da Índia existiam cerca de 44 comunidades, onde o português era falado.

BIBLIOGRAFIA:

– Abdurachman, Paramita Rahayu “Some Portuguese loanwords in the vocabulary of speakers of Ambonese Malay in Christian villages of Central Moluccas”, 17 pp., LIPI, 1972, Jacarta, Indonésia.

– Clancy, Clements “The genesis of a language: the formation and development of Korlai Portuguese” XII, 281 pp. maps, Creole language library vol.16, Benjamins, 1996, Amesterdão e Filadélfia .

– Dalgado, S. R. “Estudos sobre os Crioulos Indo-Portugueses” 187 pp., Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1998, Lisboa, Portugal. Dialecto Indo-Português de Goa; Dialecto Indo-Português de Damão; Dialecto Indo-Português do Norte; Dialecto Indo-Português de Negapatão; Berço duma cantiga em Indo-Português-. The latest edition of the interesting study of Sebastião Rodolfo Delgado on the Creole languages of Goa, Damão, Negapatão and the Northern Province of India.

– Dalgado, Sebastião Rudolfo “Dialecto Indo-Português de Ceilão” 301p. (Cadernos Ásia) CNCDP, 1998, Lisboa, Portugal.

– Daus, Ronald “Portuguese Eurasian communities in Southeast Asia” 83 pp. Institute of Southeast Asian Studies, 1989, Singapura. The Portuguese Eurasian communities in Malacca, Tugu, Larantuka and Singapore.

– Goonatilleka, M.H. “A Portuguese Creole in Sri Lanka: A Brief Socio-Linguistic Survey”, in: SOUZA, Teotónio R. de (ed.) “Indo-Portuguese History. Old Issues, New Questions (3rd ISIPH)”, pp. 147-180 Concept, 1985, Nova Deli, Índia.

– Hettiarachchi, A. S. “Influence of Portuguese on the Singhalese Language”, JCBRAS Vol. IX, 1965, pp. 229-238

– Jackson, Kenneth David “Sing without a shame: oral traditions in Indo-Portuguese creole verse: with transcription and analysis of a nineteenth-century manuscript of Ceylon Portuguese Creole”, XXVII, 257 pp., Creole Language Library, Benjamins, 1990, Amesterdão e Filadélfia.

– Lopes, David “A Expansão da Língua Portuguesa no Oriente durante os Séculos XVI, XVII e XVIII”, 265 pp. Portucalense Editora, 1969, Porto, Portugal.

– Matos, Luís de “O português, língua franca no Oriente” In: “Colóquios sobre as províncias do Oriente” Vol. 2, Junta de Investigações do Ultramar, 1968, Lisboa. – pp. 11-23 (Estudos de Ciências Políticas e Sociais ; 81)

– Silva Jayasuriya, Shihan da, “Indo-Portuguese of Ceylon: a contact language”, 188 pp., Athena Publications, 2001, Londres, Reino Unido

– Silva Rego, Padre António da “Dialecto Português de Malaca e outros escritos” 304 pp. (Cadernos Ásia) CNCDP, 1998, Lisboa, Portugal. Dialecto Português de Malaca; A Comunidade Luso-Malaia de Malaca e Singapura; A cultura portuguesa na Malaia e em Singapura.

– Teixeira, Pe. Manuel “The Influence of Portuguese on the Malay Language” In: “Journal of the Malayan Branch of the Royal Asiatic Society”, 1962, vol. XXXV (Pt. 1).

– Theban, Laurentiu “Situação e perspectivas do português e dos crioulos de origem portuguesa na Índia e no Sri-Lanka” In: “Actas do Congresso sobre a situação da língua portuguesa no Mundo” vol. 1, pp. 269-285, Imprensa Nacional, 1985, Lisboa, Portugal.

banner
Close
Stay informed about Colonial Voyage