Fort Fredrick, Trincomalee, Sri Lanka. Autor Bel Adone. No Copyright
Fort Fredrick, Trincomalee, Sri Lanka. Autor Bel Adone

Trincomalee: A primeira ocupação britânica e a rendição definitiva dos neerlandeses

This post is also available in: Inglês

Escrito por Marco Ramerini. 

Continuação de: A consolidação da presença neerlandesa

8.0 A PRIMEIRA OCUPAÇÃO BRITÂNICA E A RENDIÇÃO DEFINITIVA DOS NEERLANDESES

Em Dezembro de 1780 o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda declarou a guerra aos Países Baixos. A notícia chegou a Ceilão em junho de 1781 e algumas preparações foram feitas pelo governo da ilha para reforçar a defesa, tendo em vista um ataque iminente e expectável britânico: uma agressão, que logo ocorreu. Na verdade os Ingleses agiu com a rapidez e Trincomalee foi atacado imediatamente.

Em 8 de janeiro de 1782 Trincomalee foi tomado pelos ingleses. A expedição estava sob o comando do almirante Edward Hughes. Em seguida, em 29 de agosto do mesmo ano (1782) a cidade foi ocupada pelos franceses sob o comando do almirante Suffren. Os franceses eram aliados dos holandeses. A frota francesa atacou a cidade, juntamente com um destacamento de tropas holandesas, que atingira Trincomalee de Jaffna por uma rota terrestre. Os britânicos se rendeu sem lutar. Pelos termos dos contratos, que foram estipulados no Tratado de Versalhes, assinado em 1783, os franceses cederam novamente Trincomalee aos holandeses.

Na cidade de Trincomalee os holandeses abriram uma Casa da Moeda e moedas foram produzidas no período entre 1789 e 1793. A administração do território foi liderada por muitos anos pelo comandante de Trincomalee, o coronel von Drieberg, envolvendo funcionários nativos. Ele estabeleceu pessoas nas aldeias de Kottiyar e Tamblagam e o governador de Graaf também propôs a instalar pessoas em Kattekolapattu. Para o coronel von Drieberg conseguiu o último comandante holandês de Trincomalee o maior Jan George Fornbauer.1

Em janeiro 1795 as tropas revolucionárias francesas ocuparam a Holanda, onde a República Batava foi instituída. O Stadthouder fugiu para a Inglaterra. O estado das colônias holandesas foi seriamente ameaçado, porque ninguém sabia que governo foi responsável pelas colônias. Os britânicos foram os primeiros a chegar em Ceilão, exibindo as ordens do Stadhouder, pedindo a ocupação dos fortes holandeses por suas próprias tropas para mantê-los longe do francês. Posteriormente as negociações entre os britânicos e as administrações holandeses da ilha teve lugar, o que levou a um acordo preliminar, pela qual os britânicos estavam autorizados a estação de 800 soldados na ilha: 300 soldados no forte Ostenburg, 300 nos fortes de Negombo e Kalutara e 200 no forte de Matara.

O primeiro de agosto de 1795 os britânicos com uma carta, assinada pelo governador van Angelbeek, atingiu em Trincomalee pedindo sendo recebidos como aliados e permitindo-lhes a ocupação do forte Oostenburgh com 300 soldados. No entanto, Fornbauer, o comandante do forte, se recusou a entregar o forte sem ter recebido uma ordem prévia, por escrito, assinado pelo governador e os membros do conselho de Ceilão, como era prática habitual. Os britânicos não desperdiçar seu tempo em outras negociações e no 2 de agosto desembarcaram suas tropas quatro milhas ao norte da fortaleza e começou a preparar-se para o ataque.

O comandante holandês do forte como o chefe da guarnição tinha sob seu comando cerca de 500 soldados europeus, 250 malaios e 150 Sepoys. Este contingente militar resistiu por algumas semanas, mas depois de um intenso bombardeio de quatro dias, ele foi forçado a render-se em 26 de agosto 1795. A guarnição holandesa foi concedido as honras de guerra e Trincomalee foi depois ocupada pelos britânicos. Cerca de 200 homens do regimento de mercenários suíços de Meuron foram uma parte da guarnição holandesa, também. Eles foram levados prisioneiros de guerra pelos ingleses.

As perdas entre os holandeses somaram 120-130 homens, mortos ou feridos, enquanto que os Ingleses tinham 72 homens mortos ou feridos, entre eles 50 europeus. O forte Oostenburgh, que no início do ataque tinha uma guarnição de 300 soldados, dos quais 200 eram europeus, rendeu-se após um curto bombardeio alguns dias depois, no dia 31 de agosto, 1795.2

O forte de Trincomalee foi renomeado novamente pelos novos mestres Fort Frederick, e mantém este nome até hoje.

Imediatamente após a ocupação britânica, a Baía de Trincomalee foi considerada uma base da Marinha Real britânica, ficando em segundo lugar em importância, apenas ultrapassada por Cingapura. As palavras de Pitt em relação a Trincomalee são particularmente significativos: “a melhor e mais vantajosa baía em toda a Índia”, enquanto o almirante Nelson falou sobre Trincomalee como o melhor porto do mundo.

CRONOLOGIA:

  • Dinamarquês: maio 1620 – 1621.
  • Português: julho 1623 – 2 de maio de 1639.
  • Holandês: 2 de maio 1639-1640.
  • Rei de Kandy: (o forte foi destruído em 1643 e abandonado?) 1640 – setembro de 1665.
  • Holandês: setembro 1665 – 8 de janeiro 1782.
  • Francês: (o forte permanece em mãos holandesas) (março 1672 – julho 1672).
  • Inglês: 8 de janeiro de 1782 – 28 de agosto 1782.
  • Francês: 28 de agosto 1782-1783.
  • Holandês: 1783 – 26 de agosto de 1795 (Fort Oostenburg: 31 de agosto de 1795).
  • Inglês: 26 de agosto de 1795 (Fort Oostenburg: 31 de agosto de 1795).

Para ser continuado por: Bibliografia

Portão principal, Fort Fredrick, Trincomalee, Sri Lanka. Autor Bel Adone. No Copyright

Portão principal, Fort Fredrick, Trincomalee, Sri Lanka. Autor Bel Adone

NOTAS:

1 “Governor van de Graaf’s memorial to his successor Governor J.G. van Angelbeck, 1794”, in: “Ceylon Literary Register”, p. 809.

2 “The Turnour manuscript, 1795”, in: “Historical manuscripts commission, Ceylon”, n° 1 May, 1937, pp. 16-19 and also Colin-Thome “Governor van Angelbeek and the capitulation of the Dutch settlements in Ceylon to the British, 1796”, in: JDBUC, vol. LIX, n°1-4, 1981, pp. 23-55.

banner
Close
GDPR
EU laws require that we request your consent to the use of cookies. We use cookies to ensure that our site works properly. Some of our advertising partners also collect data and use cookies to publish personalized ads.




Subscribe to our YOUTUBE channel: