O Portão de entrada para a cidadela da fortaleza. Baçaim (Vasai). Autor e Copyright Sushant Raut
O Portão de entrada para a cidadela da fortaleza. Baçaim (Vasai). Autor e Copyright Sushant Raut

Os Portugueses em Baçaim (Bassein, Vasai): as ruínas de uma cidade Portuguesa na Índia

This post is also available in: Inglês

Escrito por Marco Ramerini

Bassein-Vasai (Baçaim) está situada a cerca de 70 quilômetros ao norte de Bombaim, no Mar da Arábia. Encontra-se em uma ilha na foz de um rio e foi graças a esta posição facilmente defensável. A cidade, que pertencia ao Reino de Cambaia, era muito importante antes da conquista Português. As fontes de riqueza de Baçaim (Bassein) foram: o comércio dos cavalos, a pesca, o sal, a madeira, a pedreira de pedra (basalto, granito) e os estaleiros navais. Naqueles dias, a cidade estava situada no centro de um distrito agrícolo rico, que rendeu arroz, betel, algodão, cana-de-açúcar e muito mais.

Em 1528 o Capitão Heytor de Silveira capturou e queimou a cidade de Baçaim. Depois disso, o Senhor do Thana apresentou voluntariamente como tributário de Portugal. Em 1532 os Portugueses de novo atacaram Baçaim e depois de uma fraca resistência eles entraram no forte eo destruíram. As cidades de Thana, Bandora, Mahim e Bombaim foram colocados sob tributo. Em 23 de dezembro de 1534 o Sultão de Gujarat cedeu, por tratado, a cidade de Baçaim com as suas dependências (Salcete, Bombaim, Parel, Vadala, Siao, Vorli, Mazagao, Thana, Bandra, Mahim, Caranja) para Portugal.

Baçaim (Vasai), ruínas da igreja, aguarela por Roberto Ramerini

Baçaim (Vasai), ruínas da igreja, aguarela por Roberto Ramerini

Em 1535 a Feitoria ea Igreja de Nossa Senhora da Vida foram construídos. No mesmo ano, o Sultão de Gujarat agrediu a cidade, por esta razão, em 1536 uma fortaleza foi construída, em torno do qual a cidade português floresceu. Em 1540,  foi fundada a “Confraria da Misericórdia”. Em 1547, os franciscanos fundaram o Convento ea Igreja de Santo António ea Igreja Matriz de São José.

Em 1548 São Francisco Xavier ficou em Baçaim e uma parte da população indígena foi convertida ao cristianismo. Em 1549 os jesuítas construíram as Igreja do Sagrado Coração de Jesus. Mais tarde, em 1561, eles começaram a construir o suo grande colégio. Em 1556 os Portugueses ocuparam a montanha da “Serra de Açarim”, eo forte de Açarim / Asserim eo de Manora foram ocupadas na vizinhança.

Um pequeno forte foi construído em Caranja. Na ilha de Salcete (Salsette) 9 igrejas foram construídas: Nirmal (1557), Nossa Senhora dos Remédios (1557), Sandor (1566), Agashi (1568), Nandakal (1573), Papdy (1574), Pale (1595), Manickpur (1606), Nossa Senhora das Mercês (1606). Em 1559 Damão foi ocupada e no mesmo ano o forte de Bulsar foi colocado sob controle Português, mas já foi abandonado em 1560.

Baçaim, as ruínas do claustro e da torre da Igreja franciscana de Santo António, aguarela por Roberto Ramerini

Baçaim, as ruínas do claustro e da torre da Igreja franciscana de Santo António, aguarela por Roberto Ramerini

Em 1564 a Igreja de São Gonçalo foi construída pelos dominicanos. Na segunda metade do século XVI a construção de um novo forte tinha começado e toda a cidade estava cercada por muros com 10 baluartes. O desenho da fortaleza e dos bastiões foi inspirado as fortificações do Renascimento italiano. Em 1581 os jesuítas construíram a Igreja de Nossa Senhora da Graça e, finalmente, os Agostinianos construíram a Igreja de Nossa Senhora da Anunciada em 1596.

Baçaim foi conhecida durante o período dos Portugueses para o refinamento ea riqueza dos seus edifícios e palácios e pela beleza de suas igrejas. A Província do Norte incluiu um território que se estendia desde que 100 quilômetros da costa, entre Damão e Bombaim e em alguns lugares estendido 30-50 km em direção ao interior. Ele foi a mais produtiva área da India sob o domínio Português. Em defesa da província foram construídas várias fortalezas. As mais importantes foram em Damão, Damão Pequeno, São Gens, Danu, Serra de Asserim, Trapor, Sirgao, Mahim, Agaçaim (Ilhas das Vacas), Manora, Baçaim, Thana (Santa Cruz, Passo Seco, Baluarte do Mar), Bombaim e Caranja. No final do século XVII Baçaim atingiu o auge de seus dias de glória. Em 1611 uma “Casa da Moeda” foi criada em Baçaim.

Velha mapa de Baçaim (Vasai)

Velha mapa de Baçaim (Vasai)

Em 1615 um forte triangular foi construído em Damão Pequeno (perto de Damão), que foi chamado Forte de São Jerónimo. Em 1634 Baçaim numerou uma população de 400 famílias portuguesas, 200 famílias indígenas cristãos e 1.800 escravos. A cidade, em caso de ataque inimigo, numerou cerca de 2.400 homens, como defensores.

Em 23 de junho de 1661 um Tratado Casamento entre Inglaterra e Portugal entregue aos britânicos o porto e a ilha de Bombaim (Bombay). O governador Português de Bombaim recusaram-se a abandonar a ilha. Depois de uma longa batalha diplomática Bombaim foi cedida ao Inglês em 18 de fevereiro 1665, mas sem qualquer de suas dependências.

Em 1674 Baçaim numerou dois colégios, quatro conventos e seis igrejas. Em 1685 a Igreja de Nossa Senhora da Saúde foi fundada pelos Cavaleiros Hospitalários de São João. O declínio do poder Português no Oriente ea transferência de Bombaim (Bombay) para os britânicos em 1665 enfraqueceu Baçaim. A cidade foi atacada várias vezes pelos mahrattas.

A ilha de Bombaim (Bombay-Mumbai) ea fortaleza de Caranja, do Livro das Plantas das Fortalezas, Cidades e povoações do Estado da Índia

A ilha de Bombaim (Bombay-Mumbai) ea fortaleza de Caranja, do Livro das Plantas das Fortalezas, Cidades e povoações do Estado da ÍndiaOriental 1600s

Apesar disso, em 1719 a província de Baçaim ainda numeradas cerca de 60.000 habitantes, destes 2.000 eram Português e 58.000 eram índios cristãos. Em 1720 umo dos portos de Baçaim, Kalyan, foi conquistado pelo mahrattas, e em 1737 eles também tomaram posse de Thana e de todos os fortes na ilha de Salcete e os fortes de Parsica, Trangipara, Saibana, a Ilha das Vacas, Manora , Sabajo, as colinas de Santa Cruz e Santa Maria.

Os únicos lugares na Província do Norte, que agora ficaram com os Portugueses foram Chaul, Caranja, Bandora, Versova, Baçaim, Mahim, Quelme, Seridao (Sirgao), Danu, Asserim, Trapor e Damão. Em novembro de 1738, o Mahrattes capturaram o forte de Danu e em 20 de janeiro de 1739 Mahim capitulou. A perda de Mahim foi rapidamente seguida pela captura dos fortes de Quelme, Seridao, Trapor e Asserim (13 de fevereiro de 1739). Em 28 de março de 1739 a ilha e fortaleza de Caranja, também foram perdidas. Este foi o prelúdio de perda final da cidade, de fato, em fevereiro 1739 o Mahrattes atacaram Baçaim e depois de uma resistência desesperada, os últimos defensores portugueses renderam-se em 16 de Maio de 1739. Os Portugueses deixaram Baçaim em 23 de Maio 1739.

As colônias portugueses na Província do Norte. Autor Marco Ramerini

As colônias portugueses na Província do Norte. Autor Marco Ramerini

Depois de 205 anos de governo ininterrupto dos Portugueses, Baçaim (agora sob a Mahrattes) foi progressivamente negligenciadas ea vizinha cidade Inglesa de Bombay, tomou seu lugar. Durante a guerra contra os mahrattas (1737-1740) os Portuguese  perderam, além de Baçaim, oito cidades, quatro portos principais, vinte fortalezas, dois montes fortificados, a ilha de Salcete (Salsette) com a cidade ea fortaleza de Thana, as “ilha das Vacas”, a ilha de Karanja (Juem) e 340 aldeias. As perdas atingiram a quase toda a Província do Norte, apenas a cidade de Damão foi mantida.

VASAI (BAÇAIM): OS RESTOS DE UMA CIDADE-FORTALEZA PORTUGUESA NA ÍNDIA

Vasai (Baçaim) está localizada no distrito de Thane, 70 km ao norte de Mumbai (Bombaim). A cidade está localizada na margem norte do Vasai Creek, uma parte do estuário do rio Ulhas. Para chegar a Baçaim de Bombaim Central tomar um trem de passageiros para Surat via Dadar e descer na estação de Vasai Road (Baçaim Road). Os restos do forte podem ser atingidos por ônibus ou táxi da estação ferroviária de Vasai (11 km).

Claustro da Igreja Franciscana de Santo António. Baçaim (Vasai). Autor e Copyright Sushant Raut

Claustro da Igreja Franciscana de Santo António. Baçaim (Vasai). Autor e Copyright Sushant Raut

De todos os fortes Portugueses ainda existente na Índia, Baçaim (Vasai hoje), é um dos mais imponentes. Hoje Baçaim é um emaranhado de ruínas, a cidade tem, ainda bem conservados, suas imponente paredes de contorno, com suas duas portas de acesso (“Porta do Mar”e “Porta da Terra”) e seus 10 baluartes.

Dispersas no interior das muralhas existem as ruínas de várias casas de cidade e igrejas, entre outras coisas: a igreja eo convento dos dominicanos, a igreja franciscana de Santo Antônio (com numerosas lápides Português, os restos do claustro e as ruínas de a torre sineira), a igreja de Nossa Senhora da Vida, a igreja e conventos dos agostinianos, o palácio da “Câmara”, a Misericórdia, a Igreja Matriz de São José, as ruínas da igreja e do convento jesuítas. Bem conservada também estão os restos da antiga cidadela de São Sebastião.

BIBLIOGRAFIA:

– Albuquerque, Teresa “Epigraphy of Bassein” In: Mare Liberum, Revista de História dos Mares N° 9, ” VII Seminário internacional de História Indo-Portuguesa, Goa 1994″, pp. 311-320, 1995, Lisbon, Portugal.

– Baptista, Elsie W. “The East Indians: Catholic community of Bombay, Salsette and Bassein” 255 pp. Publications of the Anthropos Institute N° 3, The Bombay East Indian Association, 1967, Bandra, Bombay.

– Barros, Joseph de “A presença portuguesa em Baçaim: sua génese geo-histórica” In: Mare Liberum, Revista de História dos Mares N° 9, ” VII Seminário internacional de História Indo-Portuguesa, Goa 1994″, pp. 41-47, 1995, Lisbon, Portugal.

– Borges, Charles J. “Jesuit economic interests in the Portuguese Province of the North till the mid-18th century” In: Mare Liberum, Revista de História dos Mares N° 9, ” VII Seminário internacional de História Indo-Portuguesa, Goa 1994″, pp. 49-56, 1995, Lisbon, Portugal.

– Bras, A. Fernandes “Armas e inscrições do forte de Baçaim” 282 pp. maps, ill. Academia Portuguesa da História 1957 Lisboa, Portugal. The complete list and also the descriptions of the inscriptions present in Baçaim fort.

– Couto, Dejanirah “Em torno da concessão e da fortaleza de Baçaim 1529-1546″ In: Mare Liberum, Revista de História dos Mares N° 9, ” VII Seminário internacional de História Indo-Portuguesa, Goa 1994″, pp. 117-126, 1995, Lisbon, Portugal.

– Couto, Dejanirah “A fortaleza de Baçaim” In: “Oceanos” n° 28 Oct/Dec. 1996 pp. 105-118 – Couto, Dejanirah “Baçaim a capital do norte” In: “Oceanos” n°19-20, Sep/Dec. 1994 pp. 258-266

– Cunha, J. Gerson da, “The origin of Bombay” 368 pp Asian Educational Services, 1993 (1900), New Delhi, India.

– Cunha, G. da “Notes on the history and antiquities of Chaul and Bassein” 278 pp. Map & ills. 1993 (1876), Bombay, India.

– Gaspar Rodrigues, Vitor Luis “A organização militar da Província do Norte durante o séc. XVI e princípios do séc. XVII” In: Mare Liberum, Revista de História dos Mares N° 9, ” VII Seminário internacional de História Indo-Portuguesa, Goa 1994″, pp. 247-265, 1995, Lisbon, Portugal.

– Hull, Ernest R. “Bombay mission-history, with a special study of the padroado question (1534-1858)” ? vii+493 pp. 7 color maps Bombay Examiner Press, 1927,

– Leão, M. C. “A Província do Norte do Estado da India” 223 pp. several maps and illustrations, Instituto Cultural de Macau, 1996, Macau.

– Martires Lopes, Maria de Jesus dos “Aspectos da política religiosa na província do Norte, em setecentos” In: Mare Liberum, Revista de História dos Mares N° 9, ” VII Seminário internacional de História Indo-Portuguesa, Goa 1994″, pp. 175-179, 1995, Lisbon, Portugal.

– Meersman, A. “The Franciscans in Bombay. History of the Franciscans in the territory comprised within the boundaries of the present archdiocese of Bombay” xvii+279 pp. 1957, Bangalore, India.

– Oliveira e Costa, Joao Paulo “Simão de Andrade fidalgo da Índia e capitão de Chaul” In: Mare Liberum, Revista de História dos Mares N° 9, ” VII Seminário internacional de História Indo-Portuguesa, Goa 1994″, pp. 99-111, 1995, Lisbon, Portugal.

– Pereira, A. B. de Bragança “Os portugueses em Baçaim” ? 220 pp Sep. de: O Oriente Português Tip. Rangel 1935 Bastorá In: Oriente Portugues N° 7/8/9 pp. 97-313

– Rossa, W. “Indo-Portuguese cities” 117 pp. illust. Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses 1997 Lisboa Very interesting descriptions of the Portuguese town of Goa, Chaul, Baçaim, Damao, Diu, Cochin.

– Santos, Isau “A cedência de Bombaim aos Ingleses” In: Mare Liberum, Revista de História dos Mares N° 9, ” VII Seminário internacional de História Indo-Portuguesa, Goa 1994″, pp. 267-290, 1995, Lisbon, Portugal.

– Shirodkar, P. P. “Bombay and the Portuguese impact and influences with special reference to etymology” In: Mare Liberum, Revista de História dos Mares N° 9, ” VII Seminário internacional de História Indo-Portuguesa, Goa 1994″, pp. 291-301, 1995, Lisbon, Portugal.

– Soeiro de Brito, Raquel “Goa e as praças do Norte” 196 pp Junta de Investigaçoes do Ultramar, 1966 (CNCDP 1998), Lisbon, Portugal.

– Varela Gomes, Paulo and Rossa, Walter “O primeiro territorio. Bombaim e os Portugueses” In: “Oceanos” n° 41, 2000.

– Velinkar, Joseph “Early Jesuit presence in Bassein” In: Mare Liberum, Revista de História dos Mares N° 9, ” VII Seminário internacional de História Indo-Portuguesa, Goa 1994″, pp. 305-310, 1995, Lisbon, Portugal.

banner
Close
GDPR
EU laws require that we request your consent to the use of cookies. We use cookies to ensure that our site works properly. Some of our advertising partners also collect data and use cookies to publish personalized ads.




Subscribe to our YOUTUBE channel: